Pós-pandemia: cresce o número de cristãos que substituem igreja por busca 'em casa'

  • 22/09/2022
Pós-pandemia: cresce o número de cristãos que substituem igreja por busca 'em casa'
Pós-pandemia: cresce o número de cristãos que substituem igreja por busca 'em casa' (Foto: Reprodução)

Uma pesquisa ampla sobre a frequência em cultos no pós-pandemia revela que novos hábitos foram introduzidos na vida dos cristãos nos EUA. O que deveria ter sido uma medida provisória lançada em março de 2020 por conta da pandemia de Covid-19 acabou se tornando permanente para muitos.

Naquela época, 58% dos americanos disseram que adorar sozinho ou com a família era um substituto válido para frequentar regularmente a igreja, com 26% concordando fortemente.

O estudo bienal Estado da Teologia (State of Theology, em inglês) conduzido pela Lifeway Research encontrou relativa estabilidade em algumas das crenças religiosas e culturais que os adultos norte-americanos mantêm. E algumas mudanças importantes.

Em 2022, 66% acreditam que adorar fora de uma congregação local é tão válido quanto adorar com uma, com 35% concordando fortemente.

A pesquisa mostra também, que, além disso, a maioria dos americanos (56%) não acredita que todo cristão tenha a obrigação de se filiar a uma igreja local. Menos de 2 em cada 5 (36%) dizem que isso é algo que todos os cristãos deveriam fazer.

Pesquisas de rastreamento da Lifeway Research durante a pandemia apontaram que as igrejas protestantes dos EUA estavam abertas em níveis pré-pandemia no verão de 2021 e em 2022, mas no início deste ano poucas igrejas atingiram os níveis de frequência pré-pandemia.

“A identidade religiosa, as crenças e o comportamento estão inter-relacionados”, disse Scott McConnell, diretor executivo da Lifeway Research. “Quando os comportamentos de atendimento presencial à igreja foram interrompidos e os hábitos foram quebrados, isso afetou as crenças de alguns americanos sobre a necessidade de se reunir com outros crentes para adorar.”

Muitas crenças teológicas dos americanos permanecem estáveis, mas aquelas que mudaram apontam para áreas onde uma cultura em mudança pode estar impactando as perspectivas religiosas dos americanos.

Patrocinado pelo Ligonier Ministries, o estudo “State of Theology de 2022” pesquisou mais de 3.000 americanos e segue as versões anteriores em 2014, 2016, 2018 e 2020.

Confusão do tamanho de Deus

A maioria dos americanos acredita em Deus, mas estão um pouco confusos sobre quem ele é.

Para 66% dos adultos americanos Deus é um ser perfeito e não pode cometer erros, mas metade (51%) diz que Ele aprende e se adapta a diferentes circunstâncias.

Quase 7 em cada 10 americanos (67%) dizem que Deus aceita a adoração de todas as religiões, incluindo cristianismo, judaísmo e islamismo. Uma porcentagem semelhante (71%) diz que há um Deus verdadeiro em três pessoas: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo.

A pesquisa mostra que apesar da maioria dos americanos afirmar um Deus Trinitário com três pessoas divinas, a maioria não tem certeza de como isso se aplica a Jesus ou ao Espírito Santo. Pouco mais da metade (55%) acredita que Jesus é o primeiro e maior ser criado. Outros 53% dizem que Ele foi um grande professor, mas não Deus. Perto de 3 em 5 (59%) acreditam que o Espírito Santo é uma força, mas não um ser pessoal.

Ao pensar nessas convicções teológicas, a maioria dos americanos as classifica como opiniões e não como fatos. Para 60% dos adultos americanos, a crença religiosa é uma questão de opinião pessoal; não é verdade objetiva.

“Muitos americanos pensam em Deus como se Ele tivesse se revelado apenas de uma maneira vaga e indescritível. Eles parecem preencher as lacunas com o que querem acreditar”, disse McConnell. “Isso cria contrastes nítidos entre o que os americanos acreditam sobre Deus e como Ele se revelou em grandes detalhes na Bíblia”.

Problemas sociais e pecado

As questões culturais de hoje, que se cruzam com crenças teológicas, também têm causado dúvidas nos americanos, que não têm certeza de como equilibrar as duas. Um número crescente diz que os cristãos devem ficar de fora da discussão.

Enquanto 3 em cada 4 americanos (78%) dizem que Deus criou o homem e a mulher, eles estão mais divididos sobre se a identidade de gênero depende da preferência pessoal. Mais de 2 em cada 5 (42%) dizem que a identidade de gênero é uma questão de escolha, a mais alta na história do Estado da Teologia. Metade (51%) discorda.

O público americano está mais dividido do que os pastores americanos. Um estudo de 2020 de pastores protestantes dos EUA descobriu que 72% acreditam que é moralmente errado um indivíduo se identificar com um gênero diferente do sexo em que nasceu.

O estudo mostra que metade dos adultos americanos (53%) diz que sexo fora do casamento tradicional é pecado, enquanto 42% discordam. Aqueles que veem o sexo fora do casamento como pecaminoso aumentaram ligeiramente, mas de forma constante, desde que 49% disseram o mesmo em 2016.

Os cristãos americanos também estão divididos sobre se a condenação da Bíblia ao comportamento homossexual ainda é aplicável. Pouco menos da metade (46%) diz que não se aplica hoje e 42% discordam.

Já, a questão do aborto divide os americanos. Enquanto 53% dizem que o aborto é pecado, 39% discordam. Um estudo anterior da Lifeway Research específico sobre o aborto mostrou que 12% dos adultos americanos dizem que o aborto não deveria ser legalizado em nenhuma situação. Quando perguntados especificamente em que período eles acreditam que o aborto deve ser uma opção legal, assumindo que não há problemas de saúde para a mulher ou o feto, metade dos americanos diz que não deve ultrapassar 12 semanas.

Sobre política, três em cada 10 americanos (30%) dizem que os cristãos não devem opinar, um aumento de 24% em 2020 e a maior porcentagem registrada em qualquer estudo anterior do State of Theology. Cerca de 3 em cada 5 americanos (61%) discordam.

“As discussões sobre o pecado são inerentemente teológicas, porque exploram se Deus estabeleceu padrões e quais comportamentos erram essa marca”, disse McConnell. “Então, aqueles que reconhecem certos comportamentos como pecado estão reconhecendo os padrões de uma divindade. Esta é uma discussão diferente de se a sociedade concorda com um padrão ético de conduta que determinamos.”

Destinos eternos

Os americanos, segundo o estudo, acreditam que Deus se importa com o que eles fazem em seu dia a dia, a maioria das pessoas geralmente são boas, mas o inferno é um lugar real onde algumas pessoas passarão a eternidade em punição.

Enquanto 58% dos adultos americanos discordam, um número crescente acredita que Deus não se preocupa com as decisões do dia a dia. Cerca de um terço dos americanos (32%) dizem que Deus não está preocupado com o que eles fazem diariamente, acima dos 25% em 2020 e o mais alto desde que o Estado da Teologia fez a primeira pergunta em 2014.

À medida que as pessoas consideram suas ações e sua natureza, a maioria acredita que são naturalmente boas e começam inocentes diante de Deus. Dois em cada três americanos (66%) dizem que todo mundo peca um pouco, mas a maioria das pessoas é boa por natureza. Sete em cada 10 (71%) dizem que todos nascem inocentes aos olhos de Deus.

Ainda assim, 3 em cada 5 americanos (59%) dizem que o inferno é um lugar real onde certas pessoas serão punidas para sempre, acima dos 56% em 2020 e 54% em 2018. Um quarto (25%) também acredita que até o menor pecado merece a eternidade condenação, consistente com os 26% de 2020 depois de subir em cada estudo do Estado de Teologia começando em 18% em 2014.

“Existe um paradoxo interessante em relação à visão dos americanos sobre pecado e punição”, disse McConnell. “Mais de dois terços dos americanos acreditam que todos são inerentemente bons, mas quase tantos acreditam que o julgamento divino ocorrerá no futuro.”

Equilíbrio bíblico

A pesquisa diz também que os americanos tendem a confiar na Bíblia, especialmente no que ela ensina sobre Jesus, mas podem ter algumas dúvidas em outras áreas.

Dois em cada três adultos americanos (66%) dizem que os relatos bíblicos da ressurreição física ou corporal de Jesus são completamente precisos. Eles acreditam que o evento realmente ocorreu.

Mais de 3 em cada 5 (62%) não acreditam que o Espírito Santo possa dizer-lhes para fazer algo que é proibido na Bíblia.

A confiabilidade da Bíblia divide os americanos. Cerca de metade diz que as Escrituras são 100% precisa em tudo o que ensina (51%) e a Bíblia tem autoridade para nos dizer o que fazer (52%); no entanto, 53% dos americanos dizem que a Bíblia, como todos os escritos sagrados, contém relatos úteis de mitos antigos, mas não é literalmente verdade. E 40% dizem que a ciência moderna refuta a Bíblia.

“Como sociedade, as visões da Bíblia provavelmente resumem melhor como os americanos estão divididos quando se trata de teologia”, disse McConnell. “Metade vê as Escrituras como confiáveis ​​e autorizadas, enquanto a outra a vê como ficção. Números mais altos reconhecem a história que conta, mas mais da metade também dá peso às suas opiniões pessoais.”

Metodologia

Um painel on-line demograficamente equilibrado foi usado para entrevistar adultos americanos para o estudo Estado da Teologia de 2022 patrocinado pelo Ligonier Ministries.

Um total de 3.011 pesquisas foram concluídas de 5 a 23 de janeiro. A amostra fornece 95% de confiança de que o erro de amostragem do painel online não excede 1,9% para mais ou para menos. As margens de erro são maiores nos subgrupos. Pesos leves foram usados ​​para equilibrar sexo, idade, etnia, renda, região e religião.

Crenças Evangélicas são definidas usando a Definição de Pesquisa de Crenças Evangélicas da NAE Lifeway Research com base nas crenças dos entrevistados. Os entrevistados são questionados sobre seu nível de concordância com quatro afirmações separadas usando uma escala de escolha forçada de quatro pontos (concordo totalmente, concordo um pouco, discordo um pouco, discordo totalmente). Aqueles que concordam fortemente com todas as quatro afirmações são categorizados como tendo Crenças Evangélicas:

A Bíblia é a autoridade máxima para o que eu acredito.

É muito importante para mim, pessoalmente, encorajar os não-cristãos a confiar em Jesus Cristo como seu Salvador.

A morte de Jesus Cristo na cruz é o único sacrifício que pode remover a penalidade do meu pecado.

Somente aqueles que confiam somente em Jesus Cristo como seu Salvador recebem o dom gratuito de Deus da salvação eterna.

Sobre Ligonier

Desde sua fundação em 1971 pelo Dr. RC Sproul, a Ligonier, com sede em Orlando, Flórida, tem sido uma irmandade de professores dedicados a tornar as verdades profundas da fé cristã acessíveis a crentes em crescimento.

Sobre a Pesquisa Lifeway

A Lifeway Research é uma empresa de pesquisa evangélica com sede em Nashville especializada em pesquisas sobre fé na cultura e assuntos que afetam as igrejas.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/mundo-cristao/pos-pandemia-cresce-o-numero-de-cristaos-que-substituem-igreja-por-busca-em-casa.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Top 5

top1
1. Essa casa é sua

Casa Worship

top2
2. Aquieta Minh'alma

Ministério Zoe

top3
3. Não pare

Midian Lima

top4
4. Ninguém Explica Deus

Preto no Branco

top5
5. Deus proverá

Gabriela Gomes

Anunciantes